Minhas Postagens

Follow by Email

segunda-feira, 23 de julho de 2012

A DIVA DAS DIVAS: Marilyn Monroe

Marilyn Monroe, nome artístico de Norma Jeane Baker Mortensen, (Los Angeles, 1 de junho de 1926 — Los Angeles, 5 de agosto de 1962)
Marilyn nasceu no County Hospital em Los Angeles. Ela não conheceu seu pai biológico, fato que a deixava muito abalada. Muitos biógrafos acreditam que o pai biológico de Marilyn era Charles Stanley Gifford, um agente de vendas do estúdio RKO, onde Gladys Pearl Monroe, a mãe de Marilyn, trabalhava. Ela era editora de filmes, mas graves problemas psicológicos a impediram de permanecer no emprego e ela foi internada em um hospício. A certidão de nascimento diz que Martin Edward Mortensen, marido de Gladys, é que é o pai biológico de Marilyn, mas ele somente a registrou, já que ele conheceu a mãe de Marilyn grávida.
Ela só recebeu o sobrenome do padrasto em seu nome. Numa entrevista ao canal de televisão Lifetime, James Dougherty, o primeiro marido de Marilyn, disse que ela acreditava que Gifford era o seu pai, já que ela investigou uma vez e viu que antes do seu padrasto sua mãe tivera um único namorado que era chamado Gifford.
Norma Jeane passou grande parte de sua infância em casas de parentes e orfanatos até que, em 1937, mudou-se para a casa de Grace Mckee Goddard, amiga da família. Em 1942, o marido de Grace foi transferido a trabalho para a costa leste e o casal não tinha condições financeiras para levar Norma Jeane, na época com dezesseis anos. Norma Jeane tinha duas opções: Voltar para o orfanato ou se casar com seu namorado.
No dia 19 de julho de 1942 casou com Jimmy Dougherty, de 21 anos, com quem namorava há seis meses. Segundo Jimmy, ela era uma menina doce, generosa e religiosa e que gostava de ser abraçada. Até então, Norma Jeane amava Jimmy e eles estavam muito felizes juntos, até que ele entrou para a Marinha e foi transferido para o Pacífico Sul, em 1944.
Após a partida de Jimmy, Norma Jeane começou a trabalhar na fábrica Rádio Plane Munition, em Burbank, na Califórnia. Alguns meses depois, o fotógrafo Davis Conover a viu enquanto tirava fotos de mulheres que ajudavam no esforço de guerra, para a revista Yank. Ele não acreditou na sua sorte, pois ela era um "sonho" para qualquer fotógrafo. Norma Jeane posou para uma seção de fotos e ele começou a lhe enviar propostas para trabalhar como modelo.
As lentes adoravam Norma Jeane, e em dois anos ela tornou-se uma modelo respeitável e estampou seu rosto em várias capas de revistas. Ela começou a estudar o trabalho das lendárias atrizes Jean Harlow e Lana Turner, e inscreveu-se em aulas de teatro, sonhando com o estrelato. Porém, o marido Jimmy retornou em 1946, o que significou que Norma Jeane tinha que fazer outra escolha, dessa vez entre seu casamento e sua carreira.
Norma Jeane e Jimmy divorciaram-se em junho de 1946, pois ele não aceitava que ela se tornasse uma atriz. Norma assinou seu divórcio antes mesmo de assinar seu primeiro contrato na vida, dessa vez foi contratada oficialmente pela Twentieth Century Fox em 26 de agosto de1946, com um salário de 125 dólares por semana.
Pouco tempo depois, tingiu seu cabelo de loiro claríssimo e mudou seu nome artisticamente para Marilyn Monroe, Monroe era o sobrenome da sua avó materna e Marilyn o nome mais chique da época.
A estrela, que deixou o mundo aos 36 anos, personificou o glamour hollywoodiano dos anos 50 em mais de 30 filmes. Sua aparente inocência, junto com sua inata sensualidade, a tornaram uma das mulheres mais desejadas do século 20, Marilyn Monroe.


Marilyn Monroe cometeu suicídio ou foi vítima de assassinato? Os motivos da morte prematura, aos 36 anos, da maior estrela que Hollywood já conheceu, ainda são um mistério.
Para celebrar o aniversário de 50 anos da morte deMarilyn Monroe, a marca de cosméticos M.A.C. lançará, em outubro, uma linha limitada de maquiagens coloridas inspiradas no glamour da diva do cinema. A coleção será composta por 30 itens - entre eles sombra, batom, esmalte e lápis para olhos. Ainda sem preço no Brasil, no exterior os produtos vão variar de 15 a 27 dólares (aproximadamente R$ 26 a R$ 47).
Filmografia:
1960 - Adorável Pecadora


1952 - Full House
1951 -Love Nest
1950 - A Malvada 
1950 - The Fireball 
1950 - Right Cross
1950 - O Segredo das Jóias

1949 - Loucos de Amor 


"A imperfeição é bela, a loucura é genial e é melhor ser absolutamente ridículo que absolutamente chato."
"Não me falta homem, o que me falta é amor."
"Os homens passam, os diamantes ficam."
"Não ligo de viver no mundo de um homem, desde que eu possa ser uma mulher nele."
"Maridos são bons amantes principalmente quando estão traindo as esposas."
"Quando todos os nossos desejos forem realizados, muitos de seus sonhos serão destruídos."
A morte de um é uma tragédia. Mas a morte de milhões é apenas uma estatística"
"Mas o que é real? Você não pode descobrir a verdade, você só escolhe a mentira da qual mais gosta."
"Meu mundo, minha regras! Sua inveja só comprova ainda mais meu sucesso!"

"A coisa mais legal para mim é dormir, porque ao menos eu posso sonhar."

"Como você encontra o seu caminho de volta, no escuro?"
" Eu acredito que tudo acontece por um motivo. As pessoas mudam para que você consiga deixá-las para lá. As coisas dão mal para você aprender a aprecia-las quando estão boas. E às vezes, coisas boas se separam para que coisas melhores ainda se juntem"
"Hollywood é um lugar onde nos dão 100 mil dólares por um beijo, e 50 centavos por nossa alma".
"Nunca me faltaram homens, o que me falta é amor".
" Todo mundo é uma estrela e merece o direito ao brilho."
Sou egoísta, impaciente e um pouco insegura. Cometo erros, sou um pouco fora do controle e às vezes difícil de lidar, mas se você não sabe lidar com o meu pior, então com certeza, você não merece o meu melhor!ros, sou um pouco fora do controle e às vezes difícil de lidar, mas se você não sabe lidar com o meu pior, enom certeza, você não merece o meu melhor
Uma garota sábia beija mas não ama, escuta mas não acredita e parte antes de ser abandonada.
Não me alimento de 'quases', não me contento com a metade! Nunca serei sua meio amiga, ou seu meio amor... é tudo ou nada.

Eu também tenho sentimentos. Ainda sou humana. Tudo o que eu quero é ser amada pela pessoa que sou e pelo meu talento.

Se eu tivesse cumprido todas as regras, eu nunca teria chegado em qualquer lugar.

Eu sabia que eu pertencia ao público e ao mundo, não pelo fato de ser talentosa ou até mesmo bonita, mas porque eu nunca pertenci a nada ou a ninguém.
Se você conseguir fazer uma garota rir, você consegue fazer ela fazer qualquer coisa.

Não sei quem inventou o salto alto, mas todas as mulheres devem muito a esta pessoa.

O sexo faz parte da natureza. Eu só sigo a natureza.
A primeira Playboy foi com a atriz Marilyn Monroe.
 §  Durante sua carreira, Marilyn atuou em 30 filmes e deixou por terminar Something's Got to Give. Seu nome representa ainda hoje mais que uma estrela de cinema e rainha do glamour, sendo para muitos um ícone, sinônimo de beleza e sensualidade.


§  Marilyn Monroe personificou o glamour de Hollywood com incomparável brilho e energia que encantam o mundo até hoje.
§  Uma gravação caseira e inédita de Marilyn Monroe, durante a rodagem do filme Quanto Mais Quente Melhor, foi leiloada na Austrália, em Setembro de 2008, por 14.624 dólares (10.010euros). O filme foi rodado com uma câmara Super 8, dura dois minutos e mostra a atriz a contracenar com Tony Curtis e Jack Lemmon.






§  Em 2009, foi encontrado num porão de uma casa em Nova Jerseyum vídeo que mostra a diva de Hollywood em uma festa informal. O vídeo, que foi gravado no final da década de 50, mostra Marilyn fumando maconha. A afirmação foi feita por um dos presentes na festa (que não quis se identificar), o mesmo que forneceu a droga. O vídeo foi leiloado por US$ 275 mil e arrematado pelo colecionador Keya Morgan, que prepara um documentário sobre a morte da atriz.
§  Em 1953, Marylin Monroe foi a queridinha da playboy, em sua primeira edição.



O vestido marfim plissado que Marilyn Monroe usou na antológica cena do filme " O Pecado Mora ao Lado". No filme de Billy Wilder, de 1955, um trem passa e sopra o vento pela grade na calçada, levantando o vestido de Marilyn, enquanto ela diz: "Não é delicioso".

O vestido do estilista William Travilla, foi a peça mais valiosa do leilão, que durou mais de 12 horas.
 Caso Marilyn Monroe Jonh Kenedy



A ocasião foi uma grande festa de aniversário no Madison Square Garden para o presidente John F. Kennedy. O aniversário real era no dia 29 de maio, mas a festa foi realizada em 19 de maio de 1962, quarenta e oito anos atrás. Rumores de um caso em curso entre o presidente Kennedy e Marilyn Monroe tinha feito os círculos por algum tempo, mas naqueles dias, não estavam tão interessados nos assuntos privados dos políticos, a menos que se tornassem um escândalo público. Monroe chegou, um pouco tarde, e cantou a versão mais sensual da historia de "Happy Birthday" de John F. Kennedy.
Foi apenas um momento no tempo. A ocasião parecia tão alegre. Quem poderia imaginar que 3 meses depois, em 05 de agosto de 1962, Marilyn Monroe seria encontrada morta em sua casa com apenas 36 anos de idade? A causa da morte permanece envolto em mistério e as conspirações abundam. Oficialmente a causa foi listado como "intoxicação por barbitúricos aguda", resultante de um "provável suicídio".

Cerca de um ano e três meses depois da morte de Marilyn Monroe, o presidente Kennedy foi assassinado em Dallas, Texas, com 46 anos de idade. A causa, segundo a Comissão Warren, que foi Lee Harvey Oswald que agiu sozinho????...(dificil essa né) quando ele atirou no presidente, na tarde de 22 de novembro de 1963. Muitas pessoas não aceitam essa explicação e, assim como com a morte de Marilyn Monroe, há muitas teorias de conspiração.
A verdade sobre o caso
entre Marilyn Monroe e
John Kennedy
Dentre as histórias explosivas e lendas sexuais mais fascinantes do século passado, certamente o relacionamente entre o presidente dos Estados Unidos,John Fitzgerald Kennedy (1917-1963) e a atriz Marilyn Monroe (1926-1962), é um dos mais festejados. Quanto durou o caso entre o maior símbolo sexual dos Estados Unidos com JFK? Muitos escritores, entre os quais o romancista e crítico de cinema francês François Forestier, que destrinchou a vida de ambos no livroMarilyn e JFK, conta que o caso durou seis anos. Errado.
Estou lendo o livro A Vida Secreta de Marilyn Monroe, no qual o autor, J. Randy Taraborreli, remexe a história da atriz e explora documentos da FBI. Ele destrinchou boatos e concluiu que os dois foram para a cama, no máximo, duas vezes.
Vejam um trecho do livro:
“Realmente, ao contrário de décadas de relatos especulativos sobre um longo relacionamento da artista com o presidente Kennedy, foi talvez duas noites de paixão. Segundo um agente de segurança do presidente, que pediu o anonimato, declarou: “Se houvesse existido um envolvimento, eu saberia. Foi só um final de semana, só isso”. Outro agente declarou :”Na época (1962), todos nós sabíamos sobre o final de semana. Foi só quando ela e o presidente já estavam mortos que as pessoas começaram a falar sobre um romance. Ninguém falava nisso em 1962”.
Outra parte do livro interessante é o relato do autor sobre a célebre noite, no aniversário do presidente, quando Marilyn canta 'Happy Birthday, Mr. President(vejam vídeo), no Madison Square Garden, em Nova York, no dia 19 de maio de 1962.
O autor conta detalhes.
Vestido: O estilista Jean Louis desenhou um vestido que, segundo ele “só Marilyn pudesse vestir. Então, desenhei um vestido aparentemente desguarnecido, o mais desguarnecido de todos, e depois aliviei a transparência com lantejolas e contas”. O vestido não era forrado, e Marilyn não usava roupas de baixo. O vestido foi vendido em um leilão, em 2007, por 1,27 milhão de dólares).
A apresentação
Naquela noite, o palco esta tomado por muitos artistas famosos reunidos para comemorar o aniversário de JFK. Frank Sinatra, Ella Fitzgerald, Jack Benny, Henry Fonda...
Cada um deles subia ao palco para se apresentar depois de ser chamado, de maneira digna e respeitosa pelo mestre de cerimônia, o ator britânico Peter Lawford.
Quando Marilyn foi apresentada, o holofote buscava a lateral do palco e então...nada. Ela não aparecia. Todos riram. Afinal tornara-se piada nem tão reservada o fato da atriz ser uma mulher com quem ninguém podia contar. Quando ela, enfim, subiu ao palco o teatro explodiu de aplausos.
Peter Lauwford a viu caminhar insinuante em sua direção, os passos restritos pelo corte do vestido justo. Depois de fazer um último comentário para arrematar a piada da noite- “Senhor presidente, a atrasada Marilyn Monroe”.
E ela começou a murmurar com voz sexy : “Parabéns a você. Parabéns...senhor..pre-si-den-te. Ela levou as mãos à testa para proteger os olhos da luz brilhante , esperando ver mais claramente o homenageado. E iniciou o canto. Terminado o primeiro verso , fez um sinal para a plateia acompanhá-la em coro. “Todo mundo! Parabéns para você...” A plateia respondia ao convite, cantando e tentando acompanhá-la em sua regência meio errática com os braços .
Quando ela terminou a apresentação, um homem se aproximou de Marilyn por trás. Enquanto as câmeras cortavam para um bolo de aniversário que era levado ao centro do palco. E ela era retirada para fora da área e para longe do momento do qual tanto desejava: beijar o presidente. Mas, muitos pensavam que ela estava imprevisível e instável demais naquela noite. Kennedy, nos bastidores, expressou sua gratidão à ela, dizendo: “Agora posso me aposentar da vida política, depois de ouvir você cantar Parabéns a você, em minha homenagem naquela voz tão doce e pungente”.
Detalhe: a primeira dama Jackie Kennedy não compareceu. Várias fontes relataram que Jackie deixou claro para JFK sua insatisfação sobre o seu relacionamento com Marilyn.

De A á Z - Marilyn Monroe

ABC - Norma Jean Baker nasceu no dia 1 de junho de 1926 em Los Angeles. Alguns biógrafos acreditam que o pai biológico de Marilyn era Charles Stanley Gifford, um agente de vendas do estúdio RKO, Gladys Pearl Monroe, sua mãe, trabalhava em uma editora de filmes, mas problemas psicológicos a impediram de permanecer no emprego e acabou sendo levada para uma instituição de tratamento psiquiátrico.

Altura – Algumas medidas: 1,67 m de altura, 94 cm de busto, 61 cm de cintura e 89 cm de quadril.

Biblioteca –Em sua casa contava com uma biblioteca pessoal contendo mais de 400 livros de diversos temas: arte, história, psicologia, filosofia, literatura, religião, poesia, jardinagem etc. Muitos foram leiloados em 1999.

Candle – A música Candle in the Wind, de Elton John, foi escrita em homenagem a Marilyn.

DiMggio – No dia 14 de janeiro de 1954, Marilyn casou com o jogador de baseball Joe DiMaggio, seu 2º marido. Eles namoravam há dois anos quando Joe pediu a seu agente que organizasse um encontro para os dois jantarem e a pediu em casamento. Infelizmente, a fama de Marilyn e sua figura sexual tornaram-se um problema em seu casamento. Nove meses depois, no dia 27 de outubro de 1954, se divorciaram. Atribuíram a separação a "conflitos entre carreiras", e permaneceram bons amigos.

Endometriose – Sofria de endometriose, uma doença na qual os tecidos uterinos se desligam do útero e se ligam a outras áreas do corpo, causando dor, sangramento irregular, e, em casos graves, infertilidade.

Fama – Longe da fama e dos holofotes, ela gostava de usar apenas um robe.

Globo de Ouro – Marilyn sempre batalhou para que desvinculassem sua imagem de “gostosona” para uma atriz de sucesso. Em 1959, Marilyn brilhou em Quanto Mais Quente Melhor, (Some Like It Hot), de Billy Wilder, e teve seu trabalho reconhecido ao vencer o Globo de Ouro de "Melhor Atriz em Comédia".

Happy Birthday – Além da famosa cena do vestido voando, existe outro acontecimento muito reproduzido. Em 19 de maio de 1962 ela se apresentou para o presidente John F. Kennedy em uma homenagem ao aniversário de 45 anos, no Madison Square Garden. Ela cantou "Happy Birthday".

Inocência – Na década de 50, sua inocência, junto com sua inata sensualidade, a tornaram querida no mundo inteiro. Nas filmagens O Segredo das Viúvas (1951), por causa do maiô que usava (picantes para a época), o diretor Joseph M. Newman teve gravar as cenas em um conjunto fechado.

Jimmy – Aos 16 anos, e sem ter onde ficar, Norma Jean tinha duas opções: voltar para o orfanato ou se casar. Então, no dia 19 de julho de 1942, casou-se com seu primeiro marido Jimmy Dougherty, de 21 anos, a quem namorava há seis meses. Só que em 1944, Jimmy entrou para a Marinha e acabou sendo transferido para o Pacífico Sul, a separação acabou levando o casal ao divorcio em junho de 1946.

 

Kennedy– Um dos mistérios da vida de Marilyn é seu caso com o presidente Kennedy. O político ficara obcecado por ela durante sua recuperação de uma operação na coluna que o deixou imobilizado. O caso entre eles teve início depois de seu divórcio de Vitor Baggio e continuou enquanto ela esteve casada com Miller. Eles se encontravam na suite dele do Carlyle Hotel, em Nova Iorque, ou na casa de praia de Peter Lawford, em Santa Monica. O FBI grampeou a casa de praia de Lawford e John Edgar Hoover, o chefe do FBI, usou as gravações para manter seu cargo quando Kennedy tentou demiti-lo. Apesar de suas ilusões, Marilyn sabia que Kennedy desejava apenas a estrela cintilante de cinema, não a mulher que era.

Livros – Existem mais de 600 livros escritos sobre ela

Miller – No dia 29 de junho de 1956, Marilyn casou-se com o dramaturgo Arthur Miller. O casal se conheceu através de Lee Strasberg. Enquanto eles estavam casados, em 1961, Arthur escreveu o papel de "Roslyn Taber" de Os Desajustados, (The Misfits), especialmente para Marilyn. O casamento entre Marilyn e Arthur terminou no dia 20 de janeiro de 1961. A data do divórcio, ocorrido no México, foi escolhida por ser o dia da posse do presidente John F. Kennedy, nos Estados Unidos, numa tentativa de manter a separação fora das manchetes. A tática não funcionou.

Nome – Quando ela assinou com a 20th Century-Fox, Ben Lyon escolheu Carol Lind como seu nome artístico. Eventualmente, ela escolheu o nome de solteira da mãe, Monroe. Três outros nomes foram elaborados como possíveis: Norma Jeane Monroe, Jean Monroe e o Marilyn Monroe.

Orfanatos – Norma Jeane passou grande parte de sua infância em casas de família e orfanatos até que, em 1937, mudou-se para a casa de Grace Mckee Goddard, amiga da família.

Productions – Criou sua própria produtora, Marilyn Monroe Productions, com Milton H. Greene , em 1955.

Quente – Em Dezembro de 1953, Marilyn se tornou a “queridinha” do mês
da revista Playboy.

Rosto – Temendo manchas, ela lavava o rosto quinze vezes ao dia.

Salário – Em seu primeiro trabalho modelando o cachê recebido ficou em torno de apenas cinco reais.

Telefone – Morreu com o telefone na mão.

Usina –Foi "descoberta" durante a Segunda Guerra Mundial, pelos fotógrafos da imprensa durante uma sessão na fábrica Radioplane na Califórnia. Ela era uma das funcionarias da usina.

Video – Em 2009, foi encontrado no porão de uma casa em Nova Jersey um vídeo que mostra a diva em uma festa informal. O vídeo, que foi gravado no final da década de 50, mostra Marilyn fumando. O vídeo foi leiloado por US$ 275 mil e arrematado pelo colecionador Keya Morgan, que prepara um documentário sobre a morte da atriz.

fraZs – "Uma atriz não é uma máquina, mas eles te tratam como se fosse. Uma máquina de fazer dinheiro."

"Nunca gostei do nome Marilyn. Frequentemente desejei que devia ter permanecido como o nome Jean Monroe. Mas suponho agora que está tarde demais para fazer isso."

"Se você consegue fazer uma garota rir, consegue fazer ela fazer qualquer coisa."


Xyz – No dia 5 de agosto de 1962, aos 36 anos, Marilyn faleceu enquanto dormia em sua casa em Brentwood, na Califórnia. A notícia foi um choque devido o caráter misterioso em que o fato se deu. Ninguém sabe de fato o que aconteceu naquela noite. Ouviu-se o barulho de um helicóptero. Uma ambulância foi vista esperando fora da casa dela antes que a empregada desse o alarme. As gravações de seus telefonemas e outras evidências desapareceram. O relatório da autópsia foi perdido. Toda a documentação do FBI sobre sua morte foi suprimida e os amigos de Marilyn que tentaram investigar o que acontecera receberam ameaças de morte. A versão em que prevalece é uma morte de overdose pela ingestão de barbitúricos.
Moda estilo Marilyn Monroe
Para quem não sabe, Marilyn Monroe nem sempre foi loira mas, foi somente com os cabelos mais claros que ela ficou mundialmente famosa. Além disso, virou símbolo, nos anos 50 do estilo Pin-up, loiracabelos ondulados, muitas curvas e com a mistura de sensualidade e ingenuidade.
O filme “O Pecado Mora ao lado” (1955), que Marilyn ficou conhecida mundialmente, devido a cena célebre do vestido que voa devido o vento de um escapamento do metrô. O vestido de frente úncia branco virou a peça mais famosa do mundo.

Através de seus inúmeros casamentos, divórcios e casos amorosos famosos(com até então presidente americano John Kennedy), que Marilyn também ficou famosa. Ela personalizou o glamour e a sensualidade que encantou (e encanta) o mundo até hoje.
través de seus inúmeros casamentos, divórcios e casos amorosos famosos (com até então presidente americano John Kennedy), que Marilyn também ficou famosa. Ela personalizou o glamour e a sensualidade que encantou (e encanta) o mundo até hoje.
Ainda Marilyn – Uma crônica antiga
Durante uma noite, quando navegava pela rede, descobri – sem querer - um texto escrito três dias depois da morte de Marilyn Monroe (a pronuncia certa é “monrôu”). Essa crônica, intitulada apenas “MARILYN”, foi publicada no Caderno B do Jornal do Brasil no dia 08 de Agosto de 1962 (ela morreu dia 5). Seu autor é o cronista José Carlos Oliveira. Desconheço seus textos, mas este vem bem de encontro ao que escrevi sobre ela. O mito, a mulher, a sensual Marilyn Monroe.
MARILYN

Antes de mais nada era um corpo, não há dúvida. Um corpo tremendamente perturbador. Um corpo de formas opulentas, sempre na fronteira da obesidade: corpo de mulher-fêmea, acrescido de um defeito particularmente feliz nos joelhos: quando ela andava, só pensava em sexo, sexo, sexo. A pele clara e roliça descia vertiginosamente pelos decotes, deixando entrever a totalidade do corpo envolto em roupas colantes, e então ninguém mais pensava em outra coisa que não fosse sexo. Mas era, além disso, um sorriso maravilhoso, ao mais belo sorriso que jamais houve. Quando Marilyn sorria, a perturbação do espectador aumentava. Ela sorria com a língua entre os dentes – dengosa, maliciosa, pura dádiva. Era a feminilidade em pessoa. A alegria em pessoa.

Ela não teve infância. Nem pai, nem mãe, nem família. Cresceu como enjeitada em sucessivos lares. Não há motivo para atribuir à publicidade a informação obtida no momento supremo da glória: - violaram-na aos sei anos de idade. Há um detalhe praticamente infalível na biografia dessas deusas da beleza, sejam atrizes ou call-girls, de acordo com o inquérito e com os depoimentos de psiquiatras: - nos Estados Unidos, a violação de meninas bonitas ocorre com a assustadora frequência. Humbert Humbert, atormentado pelo encanto da nymphets, não é apenas um momento privilegiado do romance moderno, mas a revelação de um desejo que está presente na aventura íntima do cidadão norte-americano, desejo ara o qual Lolyta provavelmente representa um veículo liberatório eficaz.

Marilyn encontrou na história do cinema pela porta do menor esforço, isto é, tão logo descobriram que tinha corpo. E tão logo decidiu revelar-se na totalidade sua pessoa, isto é, corpo e espírito, sensualidade e tormento, ânsia de felicidade e desconforto no pináculo da fama – humana, frágil, sedenta de afeto, incompreendida e solitária – então, foi deixada em paz. Naquela paz desconfortável, naquela pobreza profunda da vida rodeada de riqueza e mentira. Mas eu pensei muitas vezes que o ser humano é indestrutível, porque toda a vergonha daquela infância e, mais tarde, o selvagem mecanismo que cria e devora os ídolos modernos, nada disso conseguira destruir o maravilhoso e inesquecível sorriso de Marilyn. Agora vejo que estava enganado.

Por José Carlos Oliveira
Jornal do Brasil – 08 de agosto de 1962

Sobre o autor:
José Carlos Oliveira (Vitória, 18 de agosto de 1934 - Vitória, 13 de abril de 1986) foi um escritor brasileiro. Celebrizando-se por suas colaborações diárias no Jornal do Brasil para onde escreveu por mais de duas décadas, tornou-se um dos grandes cronistas brasileiros do século XX, mas praticou também o romance e o memorialismo.




Forever Marilyn" veja a incrivel estátua que homenageia Marilyn Monroe

"Forever Marilyn", é a estátua feita de aço inoxidável e alumínio, tem quase 8 metros de altura,pesa 15 toneladas e foi inaugurada dia 15 de junho, ficando em Illinois até a primavera de 2012. O artista Seward Johnson retrata a cena inesquecível do filme "O Pecado Mora ao Lado".


 
 
 
Michelle Williams em My Week with Marilyn (2011):


Marilyn Monroe voltou ao centro das atenções em 2012, que marca os 50 anos de sua morte. A celebração de um dos principais ícones do cinema vem se aquecendo desde o lançamento do filme “Sete Dias com Marilyn” (que rendeu inúmeras indicações aos principais prêmios do cinema para a atriz Michelle Williams) e se estendeu também para a próxima edição do Festival de Cannes, que ganhou um cartaz comemorativo especial por seus 65 anos de história.
A musa Marilyn Monroe (Michelle Williams) está em Londres pela primeira vez para filmar “O príncipe encantado”. Colin Clark (Eddie Redmayne), o jovem assistente do prestigiado cineasta e ator Laurence Olivier (Kenneth Branagh), sonha apenas em se tornar um diretor de cinema, mas logo viverá um romance com a mulher mais sexy do mundo. O que começa como uma aventura amorosa mudará a vida do ainda inocente Colin e revelará uma das várias facetas de um dos maiores mitos do século XX."





Um comentário:

  1. BLUE BUTTERFLY,
    NORMA JEANE BAKER FOI UMA GUERREIRA!
    MEUS PARABÉNS, PELAS IMAGENS & TEXTOS!
    MUITA LUZ!

    ResponderExcluir