Minhas Postagens

Follow by Email

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Kurt Cobain!!!! 18 anos sem ele...

Nome completo: Kurt Donald Cobain
Apelido: Kurt Cobain
Data de Nascimento: 20 de Fevereiro de 1967
Data de Morte: 5 de Abril de 1994

Origem: Aberdeen, Washington
Instrumentos: Vocal, guitarra
Géneros: Grunge

Bandas: Nirvana, Fecal Matter
 



Biografia                   
Kurt Donald Cobain nasceu em 20 de fevereiro de 1967, no Hospital Grays Harbor, em AberdeenWashington, da garçonete Wendy Elizabeth Fradenburg e do mecânico automotivo Donald Leland Cobain. Seu pai era descendente de escoceses, irlandeses e franceses, e sua mãe, era de origem cubana, espanhola, irlandesa, alemã e inglesa. Os antepassados irlandeses de Cobain migraram Condado de Tyrone, na Irlanda do Norte, em 1875. Outras pesquisas encontraram que eles tinham sido sapateiros, originalmente chamado Cobane, que veio da aldeia de Inishatieve perto dePomeroy, que se estabeleceram em CornwallOntárioCanadá, e depois em Washington. Cobain tinha um jovem irmã chamada Kimberly, nascida em 24 de abril de 1970.
"Kurt,mesmo aos 3 anos, era sensível demais às necessidades dos outros,
às vezes até excessivamente"

Uma certa vez ele escreveu um poema, chamado: Odeio Mamãe, Odeio Papai
Ele realmente gostava da atenção do pai dele,
Em uma de suas entrevistas ele falou o seguinte:
“Tive uma infância realmente boa”... “Até os nove anos de idade”
O pai dele exigia muito dele, queria que Kurt agisse como um “homenzinho”
Kurt como qualquer criança atentava demais,
Escrevia nas paredes... batia a porta, batia na irmã...
E tudo se resultava em uma surra que seu pai lhe dava, mas ele costumava mesmo era
Bater com os dois dedos no peito de Kurt, não doía muito, mas o dano pscicológico era profundo, e fazia Kurt temer maior dano físico

Ele começou à se abrigar dentro do armário de seu quarto,
A infância dele foi traumatizante demais
Seu tio materno Fradenburg Chuck estrelou em uma banda chamada The Beachcombers, sua tia Mari Earle tocava guitarra e tocou em bandas de todo Condado de Grays Harbor, e seu tio-avô Delbert tinha uma carreira como tenor irlandês e fez uma aparição no filme King of Jazz de 1930. Cobain foi descrito como uma criança feliz, alegre e carinhosa. Seu talento como artista foi evidente desde cedo. Seu quarto era descrito como tendo tido a aparência de um estúdio de arte,onde ele desenhava seus personagens favoritos de filmes e desenhos animados, como Aquaman, o Monstro da Lagoa Negra, e os personagens Disney, como Pato DonaldMickey Mouse e Pluto. Esse entusiasmo foi incentivado por sua avó Íris Cobain, que era uma artista profissional. Cobain começou a desenvolver um interesse pela música cedo em sua vida. De acordo com a sua tia Mari, ele começou a cantar aos dois anos de idade. Aos quatro anos, Cobain começou a cantar e tocar piano, escrevendo uma música sobre sua viagem a um parque local. Quando era novo, ouvia artistas como Ramones  e cantava músicas "Motorcycle Song" de Arlo Guthrie"Hey Jude" do The Beatles"Seasons in the Sun" de Terry Jacks e a canção-tema do seriado The Monkees.

 Cobain foi criado por pais da classe trabalhadora que eram ligados à música.
Os seus pais divorciaram-se quando ele tinha oito anos, um evento que ele disse mais tarde que teve um profundo efeito em sua vida. Sua mãe notou que sua personalidade mudou drasticamente - Cobain se tornou mais desafiador e recluso. Em uma entrevista de 1993, ele explica:
Cquote1.png
Lembro-me envergonhado, por alguma razão. Eu tinha vergonha dos meus pais. Eu não poderia enfrentar alguns dos meus amigos na escola mais, porque eu desesperadamente queria ter o clássico, você sabe, a família típica. Mãe, pai. Eu queria a segurança, assim eu me ressenti com meus pais por alguns anos por causa disso.
Ele sofreu muito com a separação dos seus pais, e colocava na cabeça
Que a culpa era dele.
Os pais de Cobain passaram a encontrar novos parceiros após o divórcio. Seu pai prometeu não se casar novamente; ele o fez, porém, após conhecer Jenny Westeby. Os dois homens Cobain, Westeby e seus dois filhos, Mindy e James, mudaram-se para um novo lar juntos. Cobain gostava Westeby a princípio, pois esta lhe dava a atenção materna que ele desejava. Em janeiro de1979, Westeby deu à luz a Chad Cobain. Esta nova família, que Cobain insistia em dizer que não era a real, estava em contraste com a atenção que Cobain recebia como filho único, ele logo então começou a expressar seu ressentimento com a madrasta. Sua mãe começou a namorar um homem que a abusava. Cobain testemunhou a violência doméstica infligida contra ela, e houve um incidente em que ela teve que ser hospitalizada com um braço quebrado.Wendy se recusou a dar queixa, e manteve-se completamente comprometida com a relação.
A personalidade de Cobain continuou a mudar, quando ele começou a se comportar insolentemente com adultos e começou a praticar bullying contra outro menino na escola. Eventualmente, seu pai e Westeby o levou a um terapeuta, que concluiu que ele estava precisando de uma única família. Ambos os lados da família tentaram trazer seus pais juntos novamente, mas sem sucesso. Em 28 de junho de 1979, a mãe de Cobain concedeu a custódia total de seu filho a seu pai.A rebelião adolescente de Cobain logo tornou-se muito grande para seu pai, no entanto, ele foi colocado sob os cuidados de seus diversos amigos e familiares.

Apesar de não estar interessado em esporte, ele foi inscrito na equipe júnior de wrestling do ensino médio por insistência de seu pai. Apesar de ser qualificado, desprezou a experiência e saiu do time. Seu pai, mais tarde alistou Cobain em uma equipe pequena liga de beisebol, onde Cobain intencionalmente atacava com o fim de evitar ter que jogar.Ao invés disso, Cobain estava mais interessado na arte. Ele sempre desenhava durante as aulas, incluindo objetos associados com a anatomia humana. Quando deram uma caricatura de atribuição durante um curso de arte, Cobain fez um retrato de Michael Jackson. Quando seu professor de arte lhe disse que a caricatura seria imprópria para ser exibido em um corredor da escola, Cobain fez um esboço que não faz jus do então presidente Ronald Reagan.
Cobain fez amizade com um aluno homossexual na escola, às vezes sofrendo bullying de estudantes homofóbicos que concluiam que Cobain também era gay. Em uma entrevista de 1993 com a The Advocate, Cobain afirmou que ele era gay "em espírito" e que "provavelmente poderia ser bissexual". Ele também afirmou que ele usou um spray para pintar "Deus é Gay" em picapes na área de Aberdeen. No entanto, os registros da polícia de Aberdeen mostra que a frase que resultou em sua prisão foi na realidade "Ain't got no how watchamacallit".Um de seus diários pessoais, "eu não sou gay, embora eu desejasse ser, só para irritar esses homofóbicos"
Atribuídos aos inúmeros colegas de Cobain e a seus familiares, o primeiro concerto que assistiu foi Sammy Hagar e Quarterflash no Seattle Center Coliseum, em 1983.Cobain, no entanto, alegou que o primeiro concerto que assistiu foi o Melvins, uma experiência que ele escreveu abundantemente em seus "diários".Tal como um adolescente vivendo em Montesano, Cobain encontrou eventualmente escapes através da próspera cena punk do Pacífico Noroeste, que vai aos shows de punk rock em Seattle. Eventualmente, Cobain começou a frequentar o espaço de ensaios de colegas músicos de Montesano os Melvins.
Durante o segundo semestre do seu segundo ano, Cobain passou a viver com sua mãe em Aberdeen. Duas semanas antes da formatura, ele saiu da Aberdeen High School depois de perceber que ela não tinha créditos suficientes para pós-graduação. Sua mãe lhe deu uma escolha: encontrar um emprego ou sair. Depois de uma semana, Cobain encontrou suas roupas e outros pertences embalados em caixas de mudança.Banido da casa por sua mãe, Cobain se manteve na casa de amigos e se escondeu no porão de sua mãe às vezes.
Cobain afirmou que durante os períodos de tempo sem-teto, vivia debaixo de uma ponte sobre o rio Wishkah,
uma experiência que inspirou a faixa "Something in the Way" do álbum Nevermind. No entanto, o baixista do NirvanaKrist Novoselic, disse, "Ele ficou por ali, mas você não poderia viver naquelas margens lamacentas, com a maré subindo e descendo. Aquele era seu próprio revisionismo"
Enquanto convivia com a família cristã do seu amigo Jesse Reed, Cobain se tornou um devoto da igreja cristã e a frequentava regularmente. Cobain depois renunciou ao cristianismo durante o início da adolescência, engajando-se em o que seria descrito como discursos "anti-Deus". A música "Lithium" é sobre a sua experiência de vida com a família de Reed. A religião continuava a desempenhar um papel importante na vida pessoal de Cobain e em suas crenças, já que ele costumava levar imagens cristãs em seu trabalho e manteve um interesse constante no jainismo e na filosofia budista. O nome da banda Nirvana foi tirado do conceito budista, que Cobain descreveu como "a liberdade da dor, do sofrimento e do mundo externo", que em paralelo com a ética e a ideologia punk rock. Cobain se referiu a si mesmo tanto como um budista quanto jainista durante os diferentes pontos de sua vida, inclusive através assisitindo documentários de televisão tarde da noite sobre os dois assuntos.
Kurt Cobain nunca teve casa fixa, ora vivia em casa do pai ou da mãe. Poucos antes da formatura ele percebeu que não tinha dinheiro suficiente para a pós graduação. A sua mãe deu-lhe duas escolhas ou começar a trabalhar ou sair de casa, um dia encontrou a sua roupa em caixotes de mudança. Expulso de casa andou a viver em casa de alguns amigos e por vezes debaixo de uma ponte que o inspirou a criar "Something In The Way".

Something In The Way
Alguma coisa no caminho-Nirvana
Debaixo da ponte
Já há mais um vazamento
E os animais que peguei
Todos já se tornaram meus mascotes
E estou vivendo só de grama
E de gotas que descem do teto
Mas não faz mal comer peixes
Afinal, eles não tem sentimentos

Alguma coisa no caminho
Uh, uh
Alguma coisa no caminho
Uh, uh
Alguma coisa no caminho
Uh, uh
No fim de 1986, Cobain finalmente conseguiu pagar aluguer e teve o seu primeiro apartamento. Durante este período ele foi muitas vezes a Olympia, Washington para ver concertos de rock. Nessas visitas ele teve um relacionamento com Tracy Marander, tema de About a Girl.

About A Girl
Sobre uma garota-Nirvana
Preciso de uma amiga agradavel... preciso**
Com um ouvido para emprestar... preciso
Acho que você é perfeita para o caso... acho
Mas você tem uma pista.

Vou me aproveitar enquanto
Você me pendura para fora para secar
Mas não posso te ver todas as noites...
Livre

Estou esperando na sua fila... estou
Espero que você tenha tempo... espero
Já peguei a minha senha... peguei
Vou assumir um compromisso com você

Vou me aproveitar enquanto
Você me pendura para fora para secar
Mas não posso te ver todas as noites...
Livre

Preciso de uma amiga agradavel... preciso**
Com um ouvido para emprestar... preciso
Acho que você é perfeita para o caso... acho
Mas você tem uma pista

Vou me aproveitar enquanto
Você me pendura para fora para secar
Mas não posso te ver todas as noites...
Não posso te ver todas as noites...
Livre


-----------------------------------------------------------------------------------
Obs.:
*Mais especificamente, sobre Tracy Marander, namorada de
Kurt Cobain na época que a música foi escrita.
A música ficou sem título por anos, até que o baterista,
cansado de pedir para tocar "Aquela música", perguntou:
"Afinal, sobre o quê é a música?".
Ficou batizada então de "Sobre uma garota"
**o "I do", em inglês, tem o sentido de enfatizar a frase anterior.
Também, na música, serve para selar o compromisso de Tracey e
Kurt ("I do" é como o nosso "Sim", no altar), além de criar um
clima familiar na música: isso ocorre porque todos os dias,
Tracey deixava para Kurt uma lista de tarefas para fazer e ele,
mesmo sem realizá-las, escrevia ao lado de todas "I do".

 
Após Marander se separar dele, Cobain começou a namorar com Tobi Vail, uma cantora. Uma vez Kathleen Hanna, amiga de Vail escreveu com spray Kurt Smells Like Teen Spirit no seu apartamento. Teen Spirit era o desodorizante que Vail usava.
Após conhecer Vail, Cobain vomitou por estar tão sobrecarregado com ansiedade por sua paixão por ela. Isso iria inspirar a lírica, "Amo-te tanto que me deixa doente", que aparecem na canção "Aneurysm".
Embora Cobain considerasse Vail como seu colega do sexo feminino, seu relacionamento com ela diminuiu: Cobain desejava o conforto maternal de uma relação tradicional; enquanto Vail era considerada uma sexista dentro de uma comunidade contracultural punk rock. Pessoas que namoraram Vail eram descritas por sua amiga Alice Wheeler como "acessórios de moda".
Eles passavam a maior parte do seu tempo como um casal a discutir questões políticas e filosóficas. A experiência de Cobain no seu relacionamento com Vail iria inspirar o conteúdo lírico de várias das músicas de Nevermind. Ao discutir temas como o anarquismo e o punk rock com o amigo de Kathleen Hanna, uma vez que ela pintou com um spray "Kurt Smells Like Teen Spirit" na parede de seu apartamento. Teen Spirit é o nome do desodorante que Vail usava, do Hanna brincava que Cobain cheirava. Cobain, no entanto, não sabia disso, e interpretou o slogan como possuindo um significado revolucionário. O slogan inspirou o título da música "Smells Like Teen Spirit".
Kurt Cobain usou o slogan para a famosa música "Smells Like Teen Spirit".
Smells Like Teen Spirit
Cheira à Teen Spirit*-Nirvana 
Carregue suas armas e traga seus amigos
É divertido perder e fingir
Ela está entediada e auto-confiante
Oh não, eu sei um palavrão

(Refrão)
Olá, olá, olá, que baixaria.
Olá, olá, olá, que baixaria.
Olá, olá, olá, que baixaria.
Olá, olá, olá...

Com as luzes apagadas é menos perigoso
Aqui estamos nós agora, nos divirta
Me sinto estúpido e contagioso
Aqui, estamos nós agora, nos divirta
Um mulato, um albino, um mosquito
Minha libido
Sim
Hey ...yay

Sou o pior no que faço de melhor
E por esta dádiva me sinto abençoado
Nosso pequeno grupo sempre existiu
E sempre existirá até o fim

Olá, olá, olá, que baixaria.
Olá, olá, olá, que baixaria.
Olá, olá, olá, que baixaria.
Olá, olá, olá...

E eu esqueci por que eu provei
Oh sim, acho que me faz sorrir
Eu achei difícil, é difícil de achar
Bem, que seja, esquece

Olá, olá, olá, que baixaria.
Olá, olá, olá, que baixaria.
Olá, olá, olá, que baixaria.
Olá, olá, olá

Com as luzes apagadas é menos perigoso
Aqui estamos nós agora, nos divirta
Me sinto estúpido e contagioso
Aqui, estamos nós agora, nos divirta
Um mulato, um albino, um mosquito
Minha libido
Uma negação (9x)



O nome da sua banda, Nirvana vem do conceito budista em conjunto com a ideologia punk.
Nirvana
Quando ganhou sua primeira guitarra elétrica no seu décimo quarto aniversário, depois de escolher entre esta e uma bicicleta, Kurt logo começou a aprender algumas músicas e tocava alguns covers, como Back in Black do AC/DC. Sem demora, começou a trabalhar em suas próprias canções. Durante oEnsino Médio, quando Kurt aprimorava seu dom de guitarrista, nunca encontrou ninguém para tocar de modo espontâneo e divertido, até que conheceu Krist Novoselic. A mãe de Krist era dona de um salão de beleza e os dois começaram a ensaiar eventualmente na sala que ficava no último andar do prédio. Nessa época, Kurt deu a Novoselic uma fita demo de sua banda ou projeto pessoal, Fecal Matter. Depois de alguns meses de indecisão, Krist finalmente ouviu a fita e gostou. Acabou por concordar em formar uma banda juntamente com seu mais novo amigo, que mais tarde resultaria no Nirvana.
O começo da carreira deixou Cobain desencantado, devido à banda ser incapaz de atrair multidões consideráveis e pela dificuldade de se sustentar. Durante seus primeiros anos tocando juntos, Novoselic e Cobain foram anfitriões de uma lista rotativa de bateristas. Eventualmente, a banda ficou com Chad Channing, com o qual o Nirvana gravou o álbum Bleach, lançado pela Sub Pop Records, em 1989. Cobain, porém, ficou insatisfeito com o estilo de Channing, levando a banda a procurar um substituto e, eventualmente, encontrando Dave Grohl. Com Grohl, a banda encontrou seu maior sucesso através de sua estreia com o grande álbum de 1991Nevermind.
Cobain lutou para conciliar o enorme sucesso do Nirvana com suas raízes na música underground. Ele também se sentia perseguido pela mídia, comparando-se a Frances Farmer. Depois, ele criou um certo ressentimento com pessoas que afirmavam serem fãs da banda, mas que não reconheciam ou entendiam as visões sociaias e políticas da banda. Um oponente vocal do sexismo, do racismo e da homofobia, Cobain ficou publicamente orgulhoso com a apresentação do Nirvana em um evento de apoio aos direitos dos homossexuais chamado No-on-Nine no Oregon em 1992, em oposição ao Ballot Measure Nine, que proibia as escolas do estado estadunidense de reconhecer ou aceitar positivamente os direitos LGBT.
 
 
 
Cobain foi um suporte vocal do movimento pró-escolha, e envolveu-se, desde o início, na campanha Rock for Choice pela L7. Ele recebeu ameaças de mortede um pequeno número de ativistas antiaborto, com um ativista ameaçando que Kurt seria baleado logo que pisasse no palco.O encarte Incesticidedeclarou que "if any of you in any way hate homosexuals, people of different color, or women, please do this one favor for us-leave us the fuck alone! Don't come to our shows and don't buy our records". Um artigo de seus Journals lançado postumamente declara que a libertação social, poderá ser possível apenas por meio da erradicação do sexismo.
 
 
 
Kurt Cobain ganhou a sua primeira guitarra eléctrica quando fez 14 anos. Tinha de escolher entre esta e uma bicicleta. Enquanto estudava Kurt conheceu Krist Novoselic e mostrou-lhe alguns demos e o seu projecto Fecal Matter. Krist estava um pouco indeciso mas depois concordou formar a banda com o amigo, banda que mais tarde iria resultar nos Nirvana.
No início a banda não atraía grandes multidões e nunca tiveram nenhum baterista fixo até chegar Chad Channing, com o qual Nirvana gravou o álbum Bleach de 1989. Insatisfeitos com o estilo de Chad a banda procurou outro baterista encontrando Dave Grohl que gravou o álbum Nevermind de 1991, o seu maior sucesso.
Com "Nevermind" (1991), o Nirvana encontrou o sucesso, popularizando um subgênero do rock alternativo chamado grunge. Outras bandas grunge de Seattle, como Alice in ChainsPearl Jam e Soundgarden ganharam também um vasto público e, como resultado, rock alternativo tornou-se um gênero dominante no rádio e na televisão nos Estados Unidos do início à metade da década de 1990. O Nirvana foi considerada a banda "carro-chefe da Geração X", e seu vocalista, Kurt Cobain, viu-se com ungido pela mídia como porta-voz da geração, mesmo contra sua vontade. Cobain estava desconfortável com a atenção que recebeu, e colocou seu foco na música da banda, acreditando que a mensagem da banda e sua visão artística tinham sido má interpretadas pelo público, desafiando a audiência da banda com o seu terceiro álbumIn Utero (1993).




 
 

 
Casamento e nascimento de Frances Bean Cobain
Courtney Love conheceu Cobain em 12 de janeiro de 1990, na discoteca Satyricon, em Portland, quando os dois ainda tinham bandas de rock underground.
Love fazia avanços, mas Cobain era evasivo. No início de seu namoro Cobain não foi a encontros e ignorou os avanços de Love porque ele não tinha certeza se queria um relacionamento. Cobain disse: "Eu estava determinado a ser um solteirão por alguns meses [...] Mas eu sabia que eu gostava tanto de Courtney imediatamente que era uma luta muito difícil ficar longe dela por tantos meses".
Courtney Love viu pela primeira vez uma performance de Cobain em 1989 em um show em PortlandOregon; falaram brevemente após o show e Love desenvolveu uma paixão por ele.


 
 
 
 
 
Cobain já estava ciente de Love através de seu papel no filme de 1987 Straight to Hell. Segundo o jornalista Everett True, os dois foram formalmente introduzidos em um concerto da L7 e da Butthole Surfers em Los Angeles, em maio de 1991.
 
 
No outono de 1991, os dois foram vistos muitas vezes juntos e ligados através do uso de drogas.
Cobain conheceu Courtney Love a 12 de janeiro de 1994, numa discoteca quando os dois ainda tinham bandas de rock underground.
Courtney avançava para Kurt, mas este foi sempre evasivo.
Em 1992, Love descobriu que estava grávida de Cobain e eles de imediato de casaram. Em 18 de Agosto a sua filha nasceu.


Casamento
Na época de uma perfomance do Nirvana no programa Saturday Night Live, em 1992, Love descobriu que ela estava grávida de Cobain. Em 24 de fevereiro de1992, poucos dias após o término da turnê do Nirvana no Pacífico, Cobain e Love se casaram na praia de Waikiki, no Havaí. Love usou um vestido de cetim e renda, que tinha sido da atriz Frances Farmer, e Cobain usava um pijama verde, porque ele tinha sido "muito preguiçoso para vestir um smoking". Em entrevista ao The Guardian, Love revelou a oposição ao casamento de várias pessoas: "Kim Gordon [do Sonic Youth] senta-se pra mim e diz: "Se você se casar com ele sua vida não vai acontecer, ele vai destruir a sua vida. Mas eu disse: "Seja como for, eu o amo, e quero estar com ele!... Não foi culpa dele. Ele não estava tentando fazer isso.". Semanas depois, Cobain disse que "nos últimos dois meses fiquei noivo e minha atitude mudou drasticamente", em entrevista à Sassy Magazine. "Eu não posso acreditar o quanto estou feliz. Às vezes até me esqueço que estou em uma banda, eu estou tão cego pelo amor. Eu sei que soa constrangedor, mas é verdade. Eu poderia desistir da banda agora mesmo. Não importa, mas estou sob contrato.".
Frances Bean Cobain e a batalha de custódia
Em 18 de agosto, a filha do casal, Frances Bean Cobain nasceu.
Em um artigo de 1992 na revista Vanity Fair, Love admitiu ter usado heroína durante a gravidez sem saber. Love afirmou que a Vanity Fair tinha feito uma citação errada,mas o caso gerou controvérsia para o casal. Embora o romance de Cobain e Love sempre tenha sido uma atração pela mídia, eles viram-se perseguidos por repórteres de tablóides depois que o artigo foi publicado, muitos querendo saber se Frances era viciada em drogas desde o nascimento. O Los Angeles County Department of Children's Services chamou Cobain à corte, alegando que o uso de drogas pelo casal os tornaram pais inaptos.Com duas semanas de idade, a guarda de Frances Bean Cobain foi transferida para a irmã de Courtney, Jamie, por várias semanas, depois que o casal obteve a custódia em um acordo de troca, onde se submeteriam a exames de urina e visitas regulares a partir de um assistente social. Depois de meses de disputas judiciais, a custódia total da filha foi finalmente concedida ao casal.


 
 


 
Morte
Após uma parada da turnê no Terminal Eins, em MuniqueAlemanha, em 1 de março de 1994, Cobain foi diagnosticado com bronquite e laringite. Ele viajou para Roma no dia seguinte para tratamento médico, e encontrou com sua esposa em 3 de março. Na manhã seguinte, quando Love acorda, percebe que Cobain teve uma overdose em uma combinação de champanhe e Rohypnol. Cobain foi imediatamente levado para o hospital, e passou o resto do dia inconsciente. Após cinco dias no hospital, Cobain foi liberado e voltou para Seattle.
Love disse que o incidente foi a primeira tentativa de suicídio de Cobain.
Em 18 de março, Love telefona para a policia para informá-la que Cobain era um suicida e que tinha se trancado em um quarto com uma arma. A polícia chegou e confiscou várias armas e uma garrafa e pílulas de Cobain, que insistiu que não era um suicida e que tinha se trancado no quarto para esconder-se de Love. Interrogada pela polícia, Love disse que Cobain nunca tinha mencionado que ele era um suicida e que ela não tinha o visto com uma arma.
Love consegue organizar uma intervenção sobre o uso de drogas de Kurt, no dia 25 de março. As dez pessoas envolvidas na intervenção incluíam amigos do músico, executivos da gravadora, e um dos amigos mais íntimos de Kurt, Dylan Carlson. A intervenção não teve sucesso inicialmente, com uma explosão de raiva, insultos e desprezo de Cobain sob os participantes, logo depois, o músico tranca-se no quarto do andar de cima. No entanto, até ao final do dia, Cobain tinha concordado em submeter-se a um programa de desintoxicação. Cobain chegou ao Centro de Recuperação Exodus, em Los AngelesCalifórnia, em 30 de março. Os funcionários do estabelecimento não sabiam do histórico depressivo de Kurt e de suas tentativas anteriores de suicídio. Quando visitado por amigos, não havia nenhuma indicação para eles de que Cobain estava em qualquer tipo de estado negativo ou suicida. Cobain tinha passado o dia conversando com seus conselheiros sobre o seu vício de drogas e problemas pessoais, e brincou com sua filha Frances durante sua visita, o último dia que ela veria seu pai. Na noite seguinte, Kurt saiu para fumar um cigarro, em seguida, pulou um muro de seis metros de altura para deixar a instalação (do qual ele brincou no início do dia que seria estúpido tentar pular o muro). Ele pegou um táxi para o aeroporto de Los Angeles e voou de volta para Seattle, em um vôo onde estava sentado ao lado de Duff McKagan do Guns N' Roses. Mesmo após a animosidade entre Nirvana e o Guns, e a animosidade pessoal do próprio Cobain à Axl Rose, Kurt Cobain "parecia feliz" em ver McKagan. McKagan diria mais tarde que ele sabia com "todos os meus instintos que algo estava errado."
Ao longo dos dias 2 de abril e 3 de abril, Cobain foi visto em diversas localidades ao redor de Seattle, mas a maioria de seus amigos e familiares não tinham conhecimento de seu paradeiro. Ele não foi visto em 43 de abril, Cobain foi visto em diversas localidades ao redor de Seattle, mas a maioria de seus amigos e familiares não tinham conhecimento de seu paradeiro. Ele não foi visto em 4 de abril. Em 3 de abril, Love contactou um detetive privado, Tom Grant, e contratou-o para encontrar Cobain. Em 7 de abril, em meio a rumores Nirvana iria se separar, a banda saiu do festival de música anual de Lollapalooza.
 
Em 8 de abril de 1994, o corpo de Cobain foi descoberto em sua casa em Lake Washington por um eletricista que tinha chegado para instalar um sistema de segurança. Apesar de uma pequena quantidade de sangue que saia da orelha de Cobain, o eletricista relatou não ter visto qualquer sinal visível de trauma e, inicialmente, acreditava que Cobain estava dormindo até que viu a arma apontanda para o queixo. Uma nota de suicídio foi encontrada, dirigida ao amigo imaginário de infância de Cobain, chamado "Boddah", que dizia em parte, "Eu não tenho sentido a excitação de ouvir, bem como criar música, junto com realmente escrito...por muitos anos agora". Uma alta concentração de heroína e vestígios de Valium também foram encontrados em seu corpo. O corpo de Cobain tinha ficado deitado lá por dias, o relatório do legista estimou que Cobain tinha falecido em 5 de abril de 1994.
 
Uma vigília pública foi realizada para Cobain em 10 de abril em um parque no Seattle Center que atraiu cerca de sete mil pessoas em luto.Mensagens pré-gravadas por Krist Novoselic e Courtney Love, eram tocadas no memorial. Love leu trechos do bilhete suicida de Cobain para a multidão chorando e castigando Cobain. Perto do final da vigília, Love chegou ao parque e distribuiu algumas roupas de Cobain para aqueles que ainda permaneciam.Dave Grohl diria que a notícia da morte de Cobain foi "provavelmente a pior coisa que aconteceu comigo na minha vida. Lembro-me de um dia depois que eu acordei e fiquei de coração partido que ele tinha ido embora. Eu apenas senti como, 'Ok, então eu começo a acordar hoje e outro dia e ele não'.". Embora também por acreditar que sabia que Cobain iria morrer cedo, disse que "às vezes você apenas não pode salvar alguém de si", e "em alguns aspectos, você deve se preparar emocionalmente para que isso seja uma realidade."Dave Reed, que por um curto período de tempo foi o pai adotivo de Cobain, disse que "ele tinha o desespero, não a coragem, de ser ele mesmo. Depois que fizer isso, você não pode ir mal, porque você não pode fazer quaisquer erros quando pessoas te amam para ser você mesmo. Mas para Kurt, não importava outras pessoas o amavam; ele simplesmente não amava a si mesmo o suficiente."
 





 
 
No dia 8 de abril de 1994, pouco antes das 9h da manhã, o corpo de Kurt Cobain foi encontrado em uma estufa em cima da garagem de sua casa em Seattle. A espingarda calibre 20 que o cantor, guitarrista e compositor de 27 anos usara para colocar fim à própria vida estava por cima de seu peito. Fazia seis dias que ninguém o via. Um eletricista que foi instalar um sistema de segurança na casa encontrou Cobain morto. Apesar de a polícia, uma empresa de investigações particulares e amigos estarem à sua procura, o corpo já estava lá havia dois dias e meio, de acordo com o relatório do médico legista. Na corrente sanguínea do músico foi encontrada alta concentração de heroína e vestígios de Valium. Apenas as impressões digitais permitiram que o corpo fosse identificado.
 
Mark Lanegan, integrante da banda Screaming Trees e amigo íntimo de Cobain, disse que não tinha falado com ele na semana anterior. “Kurt não ligou para mim”, disse. “Não ligou para outras pessoas. Não ligou para a família. Não ligou para ninguém.” Lanegan disse que estivera “procurando Kurt cerca de uma semana antes de ele ser encontrado. (...) Tinha a sensação de que algo ruim de verdade tinha acontecido”. Os amigos, os famili
ares e as pessoas que trabalhavam com Cobain estavam preocupados com sua depressão e o uso de drogas crônico havia anos. “Eu participei de tentativas de conseguir ajuda profissional para Kurt em diversas ocasiões”, diz Danny Goldberg, ex-empresário do Nirvana.
Mas as pessoas próximas a Cobain só foram perceber que estava na hora de recorrer a medidas drásticas oito dias depois que ele voltou para Seattle de Roma para se recuperar de uma tentativa de suicídio malsucedida em março. Além de ter vários problemas domésticos, a relação de Cobain com o Nirvana era tumultuada. Aliás, a viúva, Courtney Love, declarara na MTV que Cobain tinha lhe dito nas semanas seguintes ao acontecido em Roma: “Eu odeio isto aqui – não posso mais tocar com eles”. Completou dizendo que ele só queria trabalhar com Michael Stipe, do REM.
“Nas últimas semanas, eu estava conversando muito com Kurt”, Stipe disse em uma declaração. “Tínhamos um projeto musical em andamento, mas nada gravado.”
 

No dia 18 de março, um desentendimento doméstico quase se transformou em desastre. Depois que policiais chegaram ao local, chamados por Love, ela disse que o marido tinha se trancado em um quarto com um revólver calibre .38 e disse que ia se matar. Os policiais confiscaram essa arma e mais três outras, além de diversos frascos com pílulas não identificadas. Mais tarde, naquela mesma noite, Cobain declarou a eles que, na verdade, não estava planejando tirar a própria vida.
A essa altura, Love, os familiares de Cobain, os colegas de banda e o pessoal que a empresariava começaram a falar com conselheiros de intervenção, entre eles Steven Chatoff, diretor executivo da Anacapa by the Sea, um centro de saúde comportamental para o tratamento de vícios e de distúrbios psicológicos localizado em Port Hueneme, Califórnia. “Ligaram para mim para saber o que era possível fazer”, diz Chatoff. “Ele estava se drogando em Seattle. Vivia em negação total. Era um caos completo. E eles temiam por sua vida.”
Chatoff começou a conversar com amigos, familiares e pessoas próximas para preparar a execução de uma intervenção pesada. De acordo com Chatoff, alguém contou a Cobain o que estava sendo planejado e o processo precisou ser cancelado. A empresa que empresaria o Nirvana, a Gold Mountain, afirma ter encontrado outro consultor de intervenção e contado uma mentirinha para Chatoff para dispensar seus serviços com educação.
Retirado da Revista Rolling Stone

 
Uma cerimônia final foi marcada para Cobain por sua mãe em 31 de maio de 1999, que contou com a presença de Courtney Love e de Tracey Marander. Com um monge budista cantando, sua filha Frances Bean espalhou as cinzas de Cobain em McLane Creek, em Olympia, a cidade onde ele "tinha encontrado a sua verdadeira musa artística."

Durante os últimos anos de sua vida, Cobain lutou contra o vício em heroína, doenças, depressão, fama e imagem pública, bem como as pressões ao longo da vida profissional e pessoal em torno a si mesmo e de sua esposa, a cantora Courtney Love. Em 8 de abril de 1994, Cobain foi encontrado morto em sua casa em Seattle, vítima do que foi oficialmente considerado um suicídio por um tiro de espingarda na cabeça. As circunstâncias de sua morte, por vezes, tornam-se um tema de fascínio e debate. Desde sua estréia, o Nirvana, com Cobain como compositor, vendeu mais de 25 milhões de álbuns nos Estados Unidos, e mais de 50 milhões em todo o mundo

No dia 8 de Abril de 1994, Cobain foi encontrado sem vida em Lake Washington por um electricista. Uma carta de suicídio foi encontrada, dirigida ao amigo imaginário de Cobain, "Boddah".
Kurt morreu a 5 de Abril sendo descoberto só passados 3 dias. Foram encontrados vestígios de heroína e Valium em Cobain, que se matou com um tiro de espingarda.

Se matou em 1994 com um tiro na cabeça, deixando um bilhete onde dizia: "Eu não tenho sentido a excitação de ouvir, bem como criar música, junto com realmente escrito...por muitos anos agora"
 
 
 
Legado
O banco no Viretta Park tornou-se um memorial a Cobain.

Nos anos seguintes à sua morte, Cobain foi lembrado como um dos músicos de rock mais famosos da história da música alternativa. Ele foi classificado pela revista Rolling Stone como o 12º maior guitarrista de e o 45º maior cantor de todos os tempos[55][56] e pela MTV em 7º lugar no "22 Melhores Vozes na Música"
Em 2006, ele foi classficado na vigésima posição pela Hit Parader na sua lista dos "100 Maiores Cantores de Metal de Todos os Tempos"
Em 2005, um sinal foi colocado em AberdeenWashington, onde se lia "Welcome to Aberdeen - Come As You Are" como um tributo a Cobain. O sinal foi pago e criado pelo Comitê Memorial Kurt Cobain, uma organização sem fins lucrativos criada em Maio de 2004 em honra Cobain. O Comitê também prevê a criação de um Kurt Cobain Memorial Park e um centro juvenil em Aberdeen. Como Cobain não tem túmulo (ele foi cremado com as cinzas espalhadas no rio Wishkah, em Washington),
muitos fãs do Nirvana visitam o Viretta Park, perto da antiga casa de Cobain, no lago Washington, para homenageá-lo. No aniversário da sua morte, os fãs se reúnem no parque para comemorar a sua vida e memória.
 
Em 2005, um sinal foi colocado emAberdeenWashington onde se lê "Welcome to Aberdeen - Come As You Are" como um tributo a Cobain.

Em meados de 2006, Cobain tomou o lugar de Elvis Presley como a celebridade póstuma mais bem paga, após a venda do catálogo de músicas do Nirvana. Presley recuperou a posição em 2007.
Uma controvérsia eclodiu em julho de 2009, quando um monumento a Cobain, em Aberdeen, ao longo do rio Wishkah, incluía a citação "Drogas São Ruins Para Você ... Elas Vão Te Ferrar" (em inglês "Drugs Are Bad For You ... They Will Fuck You Up."). A cidade então decidiu censurar o monumento e dizer "F ---",
mas os fãs imediatamente escreveram as letras de volta.

O monumento e a ponte tornaram-se lugares populares para os fãs deixarem tributos ao cantor.
Gus Van Sant baseou seu filme Last Days, de 2005, ao que poderia ter acontecido nas últimas horas da vida de Cobain. Em janeiro de 2007, Courtney Love começou a comprar a biografia Heavier Than Heaven para vários estúdios de cinema em Hollywood para transformar o livro em um longa-metragem sobre Cobain e o Nirvana. O videogame Guitar Hero 5 traz características de Cobain como personagem jogável.

No entanto, a inclusão de Cobain encontrou-se com uma controvérsia com os colegas sobreviventes Krist Novoselic e Dave Grohl e sua esposa Courtney Love expressaram consternação com a habilidade de usar qualquer música com Cobain.
 
Kurt Cobain vivia um turbilhão piscológico junto com a fama: o casamento com a descontrolada Courtney Love era um caos. O suceso e a riqueza incomodavam Kurt, que prezava a cultura punk.

Em show histórico no Rio, em 23 de janeiro de 1993, Kurt Cobain é vaiado depois de abandonar o palco engatinhando. A cena foi a prova de um caminho sem volta de autodestruição. No mesmo ano, depois da apresentação de São Paulo, Kurt Cobain e Courtney Love resolveram conhecer a noite paulistana. Segundo o dono da boate em que o casal passou a madrugada, o líder do Nirvana gostava de vodca, muita vodca. Ampolas de anestésico também faziam parte da diversão do cantor, que chegou a oferecer uma dose a uma fã.
Os desenhos de horror que fazia, os textos de revolta e as declarações desesperadas já mostravam o perfil depressivo de Kurt Cobain. Ele tinha apenas 27 anos quando seu corpo foi encontrado com uma bala de espingarda na cabeça.
É uma perda inexplicável...
Kurt era muito importante, só pra ter noção do quanto...
Kurt Cobain, líder da banda Nirvana, comete suicídio no auge da fama com um tiro de espingarda na cabeça, sendo encontrado apenas cerca de dois dias depois. O corpo foi achado por um eletricista contratado para instalar equipamentos de segurança que arrombou uma janela após desconfiar que havia algo errado. Ao lado do cadáver foi encontrada uma nota de suicídio escrita com tinta vermelha, endereçada à mulher Courtney Love e à filha Frances. A grande quantidade de heroína encontrada em seu corpo leva um grupo mais desconfiado a supor que Kurt foi assassinado (por não ser possível a alguém tão dopado colocar a arma na cabeça e puxar o gatilho). 
Segue abaixo o relato da Wikipedia sobre os últimos dias de Kurt: 
O último show do Nirvana aconteceu no Terminal Einz, em Munique, Alemanha, em 1 de março. Um Kurt completamente estafado e com a voz visivelmente desgastada determina férias instantâneas - shows marcados para os dias 2 e 3 são cancelados e, depois, adiados para abril, quando a turnê européia teria sua segunda parte. Cobain é diagnosticado com bronquite e com uma grave laringite. Cobain vai para Roma, Itália, para descansar, se medicar e encontrar com Courtney Love. Courtney chega a Roma no dia 3 e encontra Kurt no Hotel Excelsior. O casal passou várias semanas sem se ver. As expectativas de Kurt pelo reencontro levam um banho de água gelada quando Courtney diz que está exausta e quer dormir. Quando ela acorda na manhãzinha do dia 4, Kurt está no chão, com o nariz sangrando. Ele havia tomado champanhe e cerca de 50 pílulas do tranqüilizante Rohypnol. Kurt deixa uma carta de despedida com três folhas, caracterizando a tentativa de sucídio. Mas, oficialmente, o fato é divulgado como uma dose excessiva e acidental de medicamentos. Na carta, Kurt diz que Courtney não o ama mais, e que ele preferia morrer a passar por mais um divórcio (o primeiro foi o de seus pais). Internado no hospital Umberto I, Kurt sai do coma no dia 5 e é transferido para o American Hospital, também em Roma. Recebe alta no dia 8 e volta para os Estados Unidos no dia 12.
Em 18 de março, Courtney chama a polícia de Seattle porque Kurt se trancou em um quarto da casa com um revólver. Os policiais conversam com ele, que afirma não ser um suicida e querer apenas ficar longe da esposa. Quatro armas que Cobain tem na casa são confiscadas. 
Love planeja intervir seriamente nos problemas de Kurt, preocupada com seu vício em heroína. Dez pessoas envolveram-se no trabalho, incluindo colegas, amigos, executivos da gravadora e Dylan Carlson, um dos amigos mais íntimos de Kurt. Danny Goldberg, empresário do Nirvana, descreveu Cobain como sendo "extremamente relutante" e que "ele negava que estava fazendo qualquer coisa auto-destrutiva". Contudo, Cobain concordou em se internar no Exodus, em Los Angeles, Califórnia, que aconteceu em 30 de março. Courtney estava na mesma cidade promovendo o novo disco do Hole, "Live Through This". No dia 1º, por volta das 19:30h, Kurt saiu pelas portas dos fundos da Exodus sob o pretexto de fumar um cigarro e escalou o muro de pouco menos de dois metros de altura. E fugiu. Duas horas depois, Kurt usou seu cartão de crédito para comprar uma passagem de primeira classe para Seattle no vôo 788 da Delta. Antes de embarcar, ligou para a Seattle Limusine e marcou para ser apanhado no aeroporto - pediu explicitamente para que não enviassem uma limusine. Tentou falar com Courtney, mas ela não estava - deixou uma mensagem dizendo que havia ligado. Ela já o estava procurando em Los Angeles assim que soube que Kurt sairia do Exodus. Ficou convencida de que ele irira comprar drogas e provavelmente ter uma overdose. Kurt chegou em casa à 1:45h da manhã do sábado, 2 de abril. Ali, passou um tempo com o casal Cali e Jessica Hooper, colegas que estavam hospedados na casa. Horas depois, Kurt chamou um táxi e tentou comprar munição. Vendo que as lojas ainda estavam fechadas, Kurt desistiu e provavelmente se hospedou no motel Crest ou no Quest - que ficavam próximos de um de seus traficantes. Naquele dia ele também foi até a Seattle Guns e comprou uma caixa de cartuchos de espingarda calibre 20. 
Com o intuito de descobrir o paradeiro de Kurt, Courtney cancelou todos os seus cartões de crédito. Nos dois dias que se seguiram, houve notícias dispersas de que Kurt havia sido visto. Na noite de domingo, 3, ele foi visto no restaurante Cactus, jantando com uma mulher magra, provavelmente sua traficante, Caitlin Moore, e um homem não identificado. Naquele domingo, Courtney ligou para detetives particulares das Páginas Amarelas de Los Angeles, até que encontrou um que estava trabalhando naquele fim de semana. Tom Grant e seu assistente Ben Klugman a visitaram naquela tarde. Ela disse que seu marido havia fugido do centro de reabilitação, que estava preocupada com a saúde dele e pediu a Grant que vigiasse o apartamento da traficante Caitlin Moore, onde ela imaginava que Kurt poderia estar. Grant subcontratou um detetive de Seattle, dando-lhe ordens para observar a casa de Dylan Carlson e o apartamento de Caitlin. A vigilância foi montada naquele mesmo domingo. Entretanto, os detetives não montaram guarda imediatamente na casa de Kurt, que ficava no Lake Washington Boulevard.
Na segunda-feira, 4, Courtney pediu que a polícia verificasse a casa em Lake Washington. Os policiais passaram por lá várias vezes, mas não viram nenhum movimento. Naquele dia, à noite, Cali saiu de casa, deixando Jessica sozinha no quarto dele. Por volta da meia-noite, ela ouviu ruídos. "Ouvi passos no andar de cima e no corredor", lembra ela. Gritou um "oi" mas não ouviu resposta. Estima-se que era Kurt chegando naquele começo de madrugada. Cali só voltou depois das três da manhã, e ele e Jessica dormiram até tarde da manhã seguinte. 

 
Na tarde de terça-feira, 5, Courtney mandou Eric Erlandson, seu amigo e guitarrista do Hole, ir até a casa do Lake Washington procurar por Kurt. Ele encontrou-se com Cali e Jessica e os três procuraram por Kurt, armas e drogas. Tentativas todas em vão. Ninguém pensou em procurar na garagem e na estufa, e Erlandson saiu apressado rumo à casa em Carnation, onde a irmã de Kurt morava na ocasião. Na quarta, 6, Jessica e Cali deixaram a casa dos Cobain, mas na tarde de quinta, 7, Courtney conseguiu falar com o casal e ordenou que procurasse por Kurt mais uma vez na casa do Lake Washington. Os dois foram até lá juntos com uma amiga, Bonnie Dillard. Não encontraram nada e deixaram um bilhete com um sermão para Kurt e mandando-o procurar por Courtney. Logo que foram embora, Dillard mencionou que talvez tivesse visto algo perto da garagem, mas, amedontrados, ninguém quis voltar para checar. 
Dois dias antes, 5, nas horas que antecediam a alvorada de terça feira, Kurt Cobain havia despertado em sua cama. Os travesserios ainda tinham o cheiro do perfume de Courtney. No quarto, o aroma misturou-se com o cheiro ligeiramente picante da heroína cozida - este também era um cheiro que o despertava. 
Kurt havia dormido com suas roupas do corpo. Vestia sua camiseta da banda Half Japanese e suas calças Levi's favoritas. Vestiu e amarrou os cadarços do par de tênis Converse que possuia, caminhou até o aparelho de som e colocou para tocar um disco do R.E.M., "Automatic for the People". Acendeu um Camel Light e caiu de costas na cama com um bloco tamanho ofício apoiado em seu peito e uma caneta vermelha de ponta fina. Ele já havia escrito uma longa carta pessoal à sua esposa e filha, rapidamente rabiscada, enquanto estava no 
Exodus. Ele havia trazido o papel até Seattle e havia enfiado sob um dos travesseiros impregnados de perfume. "Você sabe, eu amo você. Eu amo Frances. Eu sinto muitíssimo. Por favor, não venha atrás de mim. Eu sinto muito, muito, muito.", eram algumas das palavras que Kurt havia escrito, enchendo uma página inteira com esse pedido de perdão. "Eu estarei lá", continuou ele. "Eu protegerei você. Não sei para onde estou indo. Simplesmente não posso ficar mais aqui." 
Tinha sido muito difícil escrever aquele bilhete, mas ele sabia que esta segunda carta seria igualmente importante e ele precisaria ter cuidado com as palavras. Ele endereçava "Para Boddah", o nome de seu amigo de infância imaginário. Quando soltou a caneta, havia enchido a página inteira, exceto por cinco centímetros. Ele fumara três cigarros redigindo o bilhete. As palavras não tinham saído com facilidade e havia erros de grafia e sentenças pela metade. Ele assinou dizendo "paz, amor e empatia. Kurt Cobain". Escreveu ainda mais uma linha - "Frances e Courtney, eu estarei em seu altar" - e enfiou o papel e a caneta no bolso esquerdo do casaco. 
Ele se levantou da cama e entrou no closet, onde retirou uma tábua da parede. Neste cubículo secreto havia uma arma dentro de uma capa de náilon bege, uma caixa de cartuchos de espingarda e uma caixa de charutos Tom Moore. Ele repôs a tábua, enfiou os cartuchos no bolso, agarrou a caixa de charutos e aninhou a pesada espingarda sobre seu antebraço esquerdo. Em um closet do corredor, ele apanhou duas toalhas - ele não precisava delas, mas sabia que alguém precisaria. Desceu silenciosamente os dezenove degraus da larga escadaria. Estava a cerca de um metro do quarto de Cali e não queria que ninguém o visse. Ele havia refletido sobre tudo isso, traçado um mapa com a mesma premeditação que dedicava às capas de seus discos e a seus vídeos. Haveria sangue, muito sangue, e uma bagunça que ele não queria em casa. Principalmente, ele não queria assombrar aquele lar, deixar sua filha com o tipo de pesadelos com que ele havia sofrido. 
Quando se dirigia para a cozinha, passou pela soleira da porta onde ele e Courtney haviam começado a acompanhar o quanto Frances havia crescido. Apenas uma linha estava ali agora, uma pequena marca de lápis com o nome dela a cerca de 79 centímetros acima do chão. Kurt nunca mais veria outra marcas mais altas naquela parede, mas estava convencido de que a vida de sua filha seria melhor sem ele. 
Na cozinha, ele abriu a porta de sua geladeira Traulson de aço inox de 10 mil dólares e apanhou uma lata de cerveja de raizes da Barq, tomando cuidado para não soltar a espingarda. Levando essa carga macabra - cerveja de raízes, toalhas, uma caixa de heroína e uma espingarda, tudo o que mais tarde seria encontrando num arranjo de plantas bizarro -, ele abriu a porta para o quintal e atravessou o pequeno pátio. A aurora estava rompendo e a neblina pairava próximo do chão. A maioria das manhãs em Aberdeen eram exatamente assim: nevoentas, orvalhadas, úmidas. Ele jamais veria Aberdeen novamente; jamais escalaria efetivamente até o topo da caixa d'água no "Morro do Think of Me"; jamais compraria a fazenda que sonhava em Grays Harbor; jamais acordaria novamente numa sala de espera de hospital tendo fingido ser um visitante para só encontrar um lugar quente para dormir; jamais veria novamente sua mãe, irmã, pai, mulher ou filha. Ele trilhou os cerca de vinte passos até a estufa, galgou os degraus de madeira e abriu o conjunto de portas francesas dos fundos. O piso era de linóleo: seria fácil de limpar. 
Ele sentou-se no chão da estrutura de cômodo único, olhando para as portas da frente. Ninguém conseguiria vê-lo ali, a menos que estivesse trepado nas árvores atrás de sua propriedade, e isto não era provável. Não queria mais ver o interior de um hospital novamente, não queria um médico de jaleco branco apalpando-o, não queria ter um endoscópio em seu estômago dolorido. Ele estava acabado para aquilo tudo, acabado para o seu estômago, ele não poderia estar mais acabado. Como um grande diretor de filmes, ele havia planejado este momento até os mínimos detalhes, ensaiando esta cena ao mesmo tempo como diretor e como ator. No curso dos anos, tinha havido muitos ensaios finais, passagens de raspão que quase seguiam este caminho, fosse por acidente ou, às vezes, por querer, como em Roma. Talvez fora sempre isto que ele guardava vagamente em sua cabeça, como um ungüento precioso, como a única cura para uma dor que jamais passaria. Ele não se importava com a liberação do desejo, ele desejava a libertação da dor. 
Ficou sentado pensando coisas que só ele sabia por vários minutos. Fumou cinco Camel Light e sorveu vários goles de sua cerveja. Tirou o bilhete do bolso, estendeu-o no chão do linóleo e tinha de escrever em letras maiores, que não saíram tão perfeitas, por causa da superfície que ele estava: "Por favor, vá em frente, Courtney, por Frances, pela vida dela que será muito mais feliz sem mim. Eu te amo. Eu te amo". Essas últimas palavras haviam completado a folha. Depositou o bilhete no alto de um monte de terra para vasos e fincou a caneta no meio, para que, como uma estaca, segurasse o papel no alto, sobre a terra. 
Tirou a espingarda da capa de náilon macia. Dobrou cuidadosamente a capa, como um garotinho separando suas melhores roupas de domingo depois da missa. Tirou a jaqueta, estendeu-a sobre a capa e colocou as duas toalhas no alto desse monte. Ele foi até a pia e apanhou uma pequena quantidade de água para o seu fogareiro de droga e sentou-se novamente. Abriu a caixa com 25 cartuchos de espingarda e tirou três, enfiando-os na câmara da arma. Moveu o mecanismo da Remington para qu e um único cartucho estivesse na câmara. Retirou a trava de segurança da arma.

Fumou seu último Camel Light. Tomou mais um gole da Barq. Lá fora, estava começando um dia nublado - era um dia como aquele em que ele chegara a este mundo, 27 anos, um mês e dezesseis dias antes. Ele agarrou a caixa de charutos e tirou um pequeno saco plástico que continha cem dólares de heroína preta mexicana - era um bocado de heroína. Ele pegou cerca de metade, um chumaço do tamanho de uma borracha de lápis e o colocou na colher. Sistemática e habilmente, preparou a heroína e a seringa, injetando-a logo acima do cotovelo, não muito longe de seu "K" tatuado. Devolveu os
instrumentos para a caixa e se sentiu uma nuvem, rapidamente flutuando para longe deste lugar. O jainismo pregava que havia trinta céus e sete infernos, todos dispostos em camadas ao longo de nossas vidas; se ele tivesse sorte, este seria seu sétimo e último inferno. Afastou para o lado seusinstrumentos, flutuando cada vez mais rápido, sentindo sua respiração se reduzir. Ele tinha de se apressar agora: tudo estava se tornando nebuloso e um matiz verde-água enquadrava cada objeto. Agarrou a pesada espingarda, encostou o cano contra o céu de sua boca. Faria barulho; ele tinha certeza disso. Disparou. E então ele se foi. 
O corpo de Kurt Cobain foi encontrado pelo eletricista Gary Smith, que chegou à casa do Lake Washington para instalar um novo sistema de segurança. Às 8:40h da sexta-feira, 8, Smith estava perto da estufa e olhou para dentro dela. "Eu vi um corpo estendido lá no chão. Pensei que fosse um manequim. Depois notei que havia sangue na orelha direita. Vi uma espingarda estendida ao longo de seu peito, apontando para seu queixo", relatou Gary. Ele ligou para a polícia e, em seguida, para sua empresa. 
Enquanto isso, em Los Angeles, Courtney havia sido internada no 
Exodus na quinta-feira, 7, para reabilitação. Na sexta, recebeu a notícia da morte de Kurt através da colega Rosemary Carroll. Courtney deixou a cidade num Learjet com Frances, Rosemary, Eric Erlandson e a babá Jeackie Farry. Quando chegaram à casa do Lake Washington, ela estava cercada por equipes dos telejornais. 
Foi possível identificar o cadáver como sendo de Kurt, embora seu aspecto fosse macabro: as centenas de bolinhas de chumbo do cartucho da espingarda haviam espandido sua cabeça e o haviam desfigurado. A polícia retirou as digitais do corpo e as impressões batiam com àquelas já arquivadas no caso da prisão por violência doméstica. 
A autópsia encontrou traços de benzodiazepinas (tranquilizantes) e heroína no sangue de Kurt. O nível de heroína era tão alto que mesmo ele - famoso pela enorme quantidade que tomava - não poderia ter sobrevivido por muito mais tempo do que aquele que levou para disparar a arma. 
Courtney estava inconsolável. Quando os policiais finalmente deixaram o local, e com apenas um guarda de segurança como testemunha, ela reconstitiu os últimos passos de Kurt, entrou na estufa - que ainda tinha de ser limpa - e mergulhou as mãos em seu sangue. No chão, ajoelhada, ela rezou e gemeu de dor, erguendo as mãos cobertas de sangue para o céu e gritou: "Por quê?!". Ela encontrou um pequeno fragmento do crânio de Kurt com cabelo preso a ele. Ela lavou e passou xampu nesse horripilante suvenir. 
No sábado, 9, Courtney foi até a agência funerária para ver o corpo de Kurt antes de ser cremado - ela já tinha solicidado que fossem feito moldes de gesso de suas mãos. Grohl tambem foi convidado e declinou, mas Krist compareceu, chegando antes de Courtney. Ele passou alguns momentos a sós com seu velho amigo e desatou a chorar. Quando ele saía, Courtney foi introduzida na sala de inspeção. Kurt estava sobre uma mesa, vestido com suas roupas mais elegantes, mas seus olhos tinham sido costurados. Era a primeira vez em dez dias que a Courtney viu o marido e foi a última vez que seus corpos físicos ficaram juntos. Ela acariciou seu rosto, falou com ele e cortou uma mecha de seus cabelos. Depois, baixou as calças dele e cortou uma mecha de seus pêlos púbicos. Finalmente, ela subiu em cima de seu corpo, abraçando-o com as pernas e recostou a cabeça em seu peito e lamentou: "Por quê, por quê?". 
Diversas cerimônias foram realizadas em memória de Kurt. Umas das mais notáveis aconteceu numa tarde de domingo: uma vigília pública foi realizada no Pavilhão da Bandeira do Seattle Centre e reuniu 7 mil pessoas, que levaram velas, flores, cartazes e algumas camisas de flanela em chamas. Um conselheiro de suicídio discursou e incentivou os jovens em dificuldades a pedirem ajuda, enquanto os DJs lcocais trocavam recordações. Uma mensagem curta de Krist foi divulgada, bem como uma fita de Courtney, que leu também a carta de despedida de Kurt. 
O corpo de Kurt Cobain foi cremado e Courtney recebeu a urna com as cinzas uma semana depois. Ela pegou um punhado e o enterrou sob um salgueiro na frente da casa. Em maio, colocou o resto numa mochila de ursinho e viajou até o mosteiro budista Namgyal, perto de Ítaca, estado de Nova York, onde procurou consagração para as cinzas e absolvição pra si mesma. Os monges abençoaram os restos e usaram um punhado para fazer uma escultura comemorativa. 
A maior parte dos restos mortais de Kurt ficou depositada em uma urna no endereço do Lake Washington, até 1997, quando Courtney vendeu a casa, mas insistiu num acordo que lhe permite voltar um dia e remover o salgueiro. 
Por fim, Frances Bean Cobain, então com seis anos de idade, espalhou as cinzas do pai no riacho McLane, em Olympia, Washington - elas dissolveram e flutuaram na corrente. Em diversos sentidos, este era, também, um local adequado para o descanso. 
Fonte: 
Wikipedia

Após a morte dele, muitos jovens se suicidaram,
Porque não queriam viver em um mundo sem ele.
Embora ele achava que ninguém amava ele, que ninguém se preocupava
Com ele... há muitas pessoas que dariam a vida por ele.
 Carta de Suicídio:
Para Boddah (Amigo imaginário que Kurt tinha quando era pequeno) 

"Falando da língua de um simplório experiente que obviamente preferiria ser um eliminado, infantil e chorão. Este bilhete deve ser fácil de entender. 
Todas as advertências dadas nas aulas de punk rock ao longo dos anos, desde a minha primeira introdução a, digamos assim, éticas envolvendo independência a aceitação de sua comunidade provaram ser verdadeiras. Há muitos anos eu não tenho sentido a excitação de ouvir ou fazer música, bem como ao ler e escrever. Minha culpa por isso é indescritível em palavras. 
Por exemplo quando estou atrás do palco e as luzes apagam e o ruído maníaco da multidão começa, não me afeta do jeito que afetava Freddy Merucury que costumava amar, se deliciar com a adoração da multidão que é algo eu totalmente admiro e invejo. O fato é, que eu não posso fazer você de tolo, nenhum de vocês, posso enganar. Simplesmente não é justo a você ou para mim. O pior crime do que eu posso imaginar seria enganar as pessoas sendo falso e fingindo como se eu estivesse me divertindo 100%. 
Às vezes eu acho que eu deveria acionar um despertador antes de entrar no palco. Eu tentei tudo dentro de meu alcance para gostar disso(e eu gosto, Deus, acredite em mim eu gosto, mas não foi o suficiente). Eu aprecio o fato de que eu e nós atingimos e divertimos muitas pessoas. Eu devo ser um desses narcisistas que só dão valor as coisas quando elas se vão. Eu sou sensível demais. Preciso ficar um pouco dormente para Ter de volta o entusiasmo que eu tinha quando criança. 
Nossas últimas três turnês, tive um reconhecimento por parte de todas as pessoas que conheci pessoalmente e dos fãs de nossa música, mas eu ainda não consigo superar a frustração, a culpa e a empatia que eu tenho por todos. Existe o bom em todos nós e acho que eu simplesmente amo as pessoas demais, tanto que chego a me sentir mal. O triste, o sensível, insatisfeito, pisciano, pequeno homem de Jesus. Por que você simplesmente não aproveita? Eu não sei! 
Eu tenho uma esposa que é uma deusa, que transpira ambição e empatia, e uma filha que me recordam muito do que eu era, cheio de amor e alegria, beijando toda pessoa que ela encontra porque todo o mundo é bom e não a fará nenhum dano. E isso me apavora ao ponto de eu mal conseguir funcionar. Eu não posso ficar com a idéia de Frances se tornar o triste, o autodestrutivo e mórbido roqueiro que eu virei.Eu tive muito, muito mesmo, e eu sou grato por isso, mas desde os sete anos , passei a Ter ódio de todos os todos os humanos em geral. Apenas por que eu amo e sinto demais por todas as pessoas, eu acho. 
Obrigado do fundo de meu nauseado estômago queimando por suas cartas e sua preocupação ao longo dos anos. Eu sou mesmo um bebê errático e triste! Não tenho mais a paixão, então lembrem, é melhor queimar do que se apagar aos poucos. 
Paz, Amor, Empatia. 
> Kurt Cobain 



Kurt Cobain/Moda

Ele influenciou e continua influenciando o mundo fashion,seja com seu estilo grunge ou suas constantes mudanças de cabelos,seja corte ou cor,ele sempre inventava moda!

Com a formação alterada,Kurt já começava a moldar o estilo grunge.Com os cabelos médios e as onipresentes camisas xadres,o look já se complementava com o jeans detonado(normalmente rasgado nos joelhos) e o tênis all star de cano médio a curto.

Kurt mudou radicalmente seu visual tingindo seu cabelos de vermelho,mas não durou muito pois desbotava demais.

Quem lembra da famigerada vinda do Nirvana ao Brasil em janeiro de 1993?Kurt estava empolgado para conhecer o Brasil(pois gostava de bandas como Mutantes),mas João Gordo o fez perceber que Hollywood Rock era a marca de cigarros,não uma menção à cena americana.Se sentindo enganado,fez um show polêmico onde,além de atitudes extremas no palco e certo descaso na execussão das canções,tocou vestido de mullher e Dave Grhl de sutiã.Mas seu look tinha um destaque,foi o pouco tempo que manteve seus cabelos castanhos,que destacaram bastante seus olhos azul turqueza.

Primeiro, o que é Grunge? significado: sujeira
Um estilo musical independente que se tornou sucesso no início da década de 90. O grunge é uma ramificação do punk rock, heavy metal e rock alternativo.
Então, nessa linda década de 90 a banda
 Nirvana(que eu sou fãloca, amodemais) marcou, e deles nasceram o estilo grunge tanto musical como visual. Kurt Cobain [lindo] então popularizou o uso e era/é/sempre será o ídolo.(ui)
Acima, alguns dos ítens básicos de um look grunge original. Tênis All Star, camisa flanela xadrez, calça jeans detonada ,uma camiseta podrinha ou outra amarrada na cintura. Fumava-se muito. Esse óculos lembra o do Willy Wonka foi usado uma época pelo Kurt Cobain.
O xadrez é o uniforme oficial dos seguidores do estilo até hoje
Os tênis estilo Converse (ou All Star no Brasil) foram popularizados por Kurt Cobain. Originalmente eram tênis de basquete, e hoje em dia são intimamente relacionados ao rock. Tanto que a própria marca Converse All Star lançou uma linha com tênis inspirados nos que Kurt Cobain usava, com um autógrafo estampado. Esse tipo de tênis é tão usado que qualquer pessoa tem um que usa todo dia, ou no fundo do armário.
Kurt gostava muito também de usar calças rasgadas e costuradas com retalhos de outros tecidos. Jeans foi um grande marco dos anos 90, e no grunge, eram rasgadas mesmo.As meninas da direita eram seguidoras do Nirvana.
Kurt Cobain vocalista da banda grunge Nirvana , assim como a banda seu estilo também é grunge , composto por camisa xadrez, blazers, calça rasgada, blusas largas e all star.
As calças ripadas vem do Punk Rock, que fazia sucesso nos anos 70, mas ela só veio deixar de ser ''coisa de rockeiro'' com o grunge rock, nas mãos da banda representante do estilo: Nirvana!
Foi Kurt Cobain que levou o título de ''rei da calça ripada'', cerca de 90% das vezes que você vai ve-lo em fotos e videos ele vai estar usando uma. E como o grunge não exige roupas ''sofisticadas'', pelo contrário, foi muito mas fácil adaptar o jeans rasgadinho no dia-a-dia das pessoas, isso lá pelos anos 90!